Conteúdo

CondorNews: Custos, uma faca de dois gumes!

22 de novembro de 2021

Custos, uma faca de dois gumes!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Aproveitando o fim da temporada de resultados do 3T21, decidimos trazer nesse newsletter um assunto muito importante para entender a dinâmica de uma empresa, porém pouco destacado nos resultados resultados: OS CUSTOS.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

“Controle seus custos ou esqueça dos lucros.” Nelio Wanderley

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Qual é a importância?

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Para começar, da mesma forma que é importante entender como uma receita é formada, é imprescindível saber de quais maneira tais recursos se comportam ao longo da DRE.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Ou seja, dependendo do modelo principal de custos (fixos ou variáveis) de uma companhia, conseguimos saber como poderá ser seu desempenho em determinado cenário econômico.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

O primeiro tipo de custo que iremos tratar são os variáveis, ou seja, o custo irá aumentar ou diminuir de acordo com o meu volume produzido. Por exemplo, a Camil (#CAML3) necessitará de um saco de matéria prima (arroz) para cada saco de Namorado vendido.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Já os custos fixos, estes são aquelas que independentemente da quantidade produzida, continuarão iguais. Por exemplo, o custo de aluguel ou o salário dos executivos, que independente do volume de arroz vendido, continuará igual.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Entender essa dinâmica é essencial para estimar o futuro. Empresas que possuem a maior parte dos custos fixos, tendem a sofrer mais em momentos de recessão, uma vez que as receitas tendem a cair e a parte das despesas não.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Por outro lado, as empresas que são majoritariamente compostas por custos variáveis, são menos impactadas com a queda da receita, já que o custo acompanhará a retração.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

E, em momentos de bonança?

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Nos momentos de crescimento e retormada dos volumes, as empresas caracterizadas por possuir a maior parte das despesas fixas, se transformam em campeãs!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Por quê?

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Pela alavancagem operacional, ou ganho de escala.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Calculando o grau de alavancagem operacional (GAO)⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Para entender qual o grau de impacto do aumento da receita na rentabilidade da empresa, utilizamos o GAO, ou seja, a variação do lucro operacional para uma determinada variação na receita.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Já as empresas com alto grau de custos variáveis, tendem a ter um GAO mais próximo de 1, já que os custos irão aumentar à medida que a receita se elevar.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O cálculo fica assim:

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

GAO = Variação % do EBIT / Variação % da receita
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
EXEMPLO:

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Digamos que a empresa Condor tenha aumentado a receita em 20% entre o ano 1 e o ano 2, e que o seu EBIT tenha variado 50% no mesmo período, qual o GAO da companhia?

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

GAO = 0,50/0,20 = 2,5 -> 250%
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Alguns exemplos de empresas que possuem a característica de ter um GAO elevado: Azul (#AZUL4), Gol (#GOLL4), Iochpe Maxion (#MYPK3) etc.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Por fim, sabemos que analisar companhias não é uma tarefa simples, principalmente para as pessoas físicas, que precisam trabalhar, cuidar do lar e passar tempo com a família.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Pensando nisso, e cansado dos conflitos de interesse que diversos analistas possuem, nós idealizamos a Condor Insider, uma casa de análise de investimento 100% independente e com apenas um foco: encontrar e recomendar as grandes assimetrias da bolsa.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Conheça nossas estratégias e inscreva-se para receber nossa promoção IMPERDÍVEL de blackfriday!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Desejamos a todos um ótimo final de semana.
Abraços.

Comente essa publicação

Dúvidas? Fale conosco